Gestão Estratégica Ambiental – Adm. Edenilson Luiz Gomes

Recentemente, tem se intensificado, nas empresas, a preocupação com o processo de gestão ambiental. Dito de outra maneira, a proteção do meio ambiente tem surgido como um fator importante na gestão das organizações e deixou de estar em segundo plano para conquistar uma posição estratégica nas mesmas. Isso porque a implementação das estratégias de gestão ambiental proporciona várias vantagens para as empresas tais como redução de custos, melhor imagem organizacional, longevidade, lucratividade, entre outros.

Os benefícios estratégicos do processo de gestão ambiental elevam a lucratividade das empresas por gerarem o aumento nas vendas, melhorarem a sua relação com a comunidade e facilitarem o acesso a linhas de crédito com juros menores que os adotados no mercado. A gestão ambiental também aumenta a eficiência nas atividades produtivas; propicia a redução de consumo de matéria-prima virgem, energia e água; diminui a necessidade de tratamento de resíduos de pós-consumo e efluentes; e reduz a incidência de multas decorrentes do desrespeito à legislação ambiental.

Para isso, a gestão ambiental demanda, em especial, o empenho da alta administração da empresa com a elaboração e a aplicação de um programa político ambiental que irá conduzir os procedimentos da organização com relação à preservação do meio ambiente. Deste modo, a empresa assume um compromisso com a sociedade, demonstra suas intenções e seus princípios de ação em relação às questões ambientais.

Nesse sentido, diversas organizações têm demonstrado que é possível proteger o meio ambiente e aumentar sua lucratividade. Desde que seus administradores sejam criativos e possam transformar as restrições e ameaças ambientais em oportunidades de bons negócios. Entre essas oportunidades, podem-se destacar a reciclagem de resíduos de pós-consumo, o reaproveitamento de sobras de materiais em seus procedimentos internos e o desenvolvimento de novos processos de produção com a adoção de tecnologias mais limpas em relação ao meio ambiente.

Assim, os administradores devem agir estrategicamente com as questões ambientais e seus recursos naturais, uma vez que esses recursos são limitados. Atividades como mineração e extração de celulose são, pela própria natureza, as que mais danificam o meio ambiente. Deste modo, as empresas precisam aperfeiçoar seus processos produtivos em relação à preservação do meio ambiente. Várias questões devem ser observadas, tais como a possibilidade de reciclagem de resíduos e a redução do consumo de água tratada e energia elétrica nas atividades industriais.

Portanto a gestão ambiental deve ser compreendida como um conjunto de ferramentas estratégicas adotadas em uma empresa e precisa ser de fato considerada como parte do planejamento global de qualquer organização. Deste modo, a redução ou a solução dos problemas ambientais depende de atitudes dos gestores e dos empresários que devem considerar a proteção da natureza em suas decisões estratégicas, bem como aplicar novas ferramentas tecnológicas em seus procedimentos industriais, colaborando, dessa maneira, para a sustentabilidade do meio ambiente e consequentemente para a longevidade da empresa em seu segmento de atuação.

Referências

1. CASTELO-BRANCO, Elizabeth. O Meio ambiente para as pequenas empresas de construção civil e suas práticas de gestão ambiental. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2010.

2. DONAIRE, Denis. Gestão ambiental na empresa. São Paulo: Atlas, 2009. 169 p.

* Adm. Edenilson Luiz Gomes – Bacharel e Mestre em Administração. Especialista em Logística Estratégica e Sistema de Transportes. Professor da disciplina Gestão Ambiental da Faculdade UNIESP/FACSAL.

Deixe uma resposta