Em palestra, Governador do RS fala sobre dívida pública e planos para o futuro

Em palestra, Governador do RS fala sobre dívida pública e planos para o futuro

Na manhã desta quarta-feira (10), o Governador do estado do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, ministrou palestra magna de encerramento do segundo dia do II Fogesp, com o tema “Modernização e Equilíbrio Financeiro”. 

O governador explicou a agenda de impacto para do envolvimento do RS e citou assuntos primordiais para o mesmo: “Procuramos deixar o estado o mais moderno possível, com serviços públicos eficientes e um ambiente de negócios favorável. Para que esse avanço ocorra, devemos nos preocupar com mais pontos importantes como redução de algumas burocracias, melhorias nos serviços públicos e na qualidade de vida, além de reformas tributárias e diminuição de taxas.” 

De acordo com o Ranking de Competitividade dos Estados de 2020, o RS se encontra em 8° lugar no ranking geral, o que, segundo o governador, poderia ser melhor: “A falta de solidez fiscal deixa o estado mais abaixo do que poderia e agrava outros fatores como a capacidade de investimentos no estado.” 

Com muita transparência, Eduardo também abordou alguns assuntos mais sigilosos, como a dívida do estado com a União e como ela se desenvolveu ao longo dos anos, e como planeja reduzir a solidez fiscal e de investimentos no RS. “O diálogo e construção com o legislativo e com a sociedade parte de três princípios: a racionalização das despesas, a modernização das receitas e a desestatização para formação de parcerias privadas.” Completou. 

O Governador destacou a reforma tributária como um dos principais meios de competir com os outros estados, afirmando que o equilíbrio fiscal com a transição do ICMS prevê a prorrogação da alíquota de 30% em relação aos combustíveis, à energia e à comunicação no ano de 2021. 

Antes de finalizar, Eduardo conversou com os participantes sobre a energia sustentável e foi cirúrgico ao falar sobre a responsabilidade ambiental: “No ano de 2020 obtivemos 53 licenças que foram emitidas pela Agência Ambiental, além de 31 licenças de hidrelétricas e uma licença de energia solar”. 

Ao fim da palestra, o Governador ressaltou que, por estamos enfrentando uma pandemia, o apoio a economia deve ser o maior possível e ainda reconheceu o desenvolvimento econômico como uma das estratégias de enfrentamento da pandemia, enumerando alguns itens para que isso possa acontecer, como a lei gaúcha de inovação, a reforma do PROEDI e as medidas setoriais via ICMS.